10 dicas do que fazer para ajudar o meio ambiente

Essa semana tivemos uma conjunção de situações que só reforçaram que as coisas estão mudando e rápido demais. Nossa floresta mais importante está sofrendo ataques constantes e muitas informações não estão chegando para nós. E quando chegam, as vezes o desconhecido, o medo e a insegurança nos paralisam e impedem uma tomada de ação. 

O que fazer, então? Como ajudar a Amazônia? Como ajudar o meio ambiente? Como ajudar as pessoas próximas a você? Como se ajudar? Aqui vão 10 dicas práticas de como sair da inércia e AGIR para fazer a diferença e ajudar o meio ambiente. 

1) Acalme-se 

A primeira coisa se fazer é manter a calma e não deixar a insegurança paralisar. Entenda as informações e notícias que chegam até você mas não deixe elas tomarem conta com medo. Cuide de sua saúde mental, busque seu equilíbrio e desaceleração dos pensamentos. Somente com a mente clara e mais calma que conseguimos controlar a ansiedade e os impulsos e assim agir com mais precisão. 

Para isso, a dica é buscar realizar alguma prática meditativa: alguns aplicativos gratuitos possuem meditações guiadas mas não é necessário. A natureza é a maior fonte de meditação: vá até algum parque ou área verde e observe a natureza (seus cheiros, sua diversidade, seus sons), sinta a natureza (pegue uma folha caída e sinta com seus dedos sua forma, seu relevo). Ou até em casa, perceba sua respiração, seus batimentos, o peso do seu corpo (afinal, você também é natureza). Os sentidos são capazes de trazer nossa mente para o momento presente e assim diminuir a ansiedade. 

2) Esteja informado de forma equilibrada 

Saber o que está acontecendo é essencial para tomarmos atitudes, mas estamos em um momento onde somente tragédias são veiculadas. Dessa forma, se informe com notícias importantes mas busque também as positivas, vendo o que está acontecendo de bom e relevante positivamente no Brasil. A Natália Folco aqui da Moetá tem uma cartilha com vários sites de notícias positivas para você se informar, o link para baixar é esse: https://bit.ly/2NoaQ3e.

Entendam também mais sobre a natureza e seus ciclos. Estejam consciente do que acontece na sua volta. Nas redes sociais da Moetá estamos sempre falando sobre esses temas de forma simples e legal. Além dos canais Animal Planet, Discovery e National Geographic, existem muitos documentários na Netflix ou no Youtube que vão te trazer outra visão e entendendo a natureza você vai ficar menos receoso por não saber o que está acontecendo. Algumas dicas de documentários: Planeta Terra, One Strange Rock, Nosso Planeta, Terra Brasil ou simplesmente nos perguntem quando tiverem alguma dúvida! 

3) Mude seus hábitos

Repense seus hábitos e comportamentos. Toda ação que temos está inserida dentro de um ciclo, já que a natureza está toda conectada (Amazônia, São Paulo, Roma, Cairo, Nova York, Tokyo e todo o mundo é a mesma casa). O Rei Leão já nos ensinou sobre o ciclo da vida e agora temos que senti-lo de verdade. Ou seja, uma ação positiva ou negativa que eu fizer pode ter impactos na vida de outras pessoas e do meio ambiente. E o melhor é sempre fazer o bem e ter hábitos que estejam mais em equilíbrio com a natureza. 

Mudar nossos hábitos é um desafio mas não é impossível e mais do que nunca chegou o momento de repensarmos nosso estilo de vida. E precisamos simplificar esse estilo, com mais contato e equilíbrio com a natureza. Nossa Cartilha de Hábitos Sustentáveis contém mais de 25 dicas de hábitos para você colocar em prática em 21 dias e começar a fazer a diferença. É só baixar gratuitamente nesse link: https://bit.ly/30rr7Ij.


4) Tenha um consumo mais consciente

Nesse sentido de estar tudo conectado, vamos repensar nosso consumo, já que o produto que compramos teve uma cadeia de impactos até ser produzido e terá após seu descarte. 

Portanto, compre somente se necessário; peça emprestado quando possível; compre de pequenos produtores artesanais locais e incentive esse tipo de economia; conserte o que for possível e aumente a vida útil de eletrônicos e roupas principalmente; diminua seu consumo de energia elétrica dentro de casa; zere o desperdício de alimentos e água; tente comprar sempre de empresas que tenham práticas mais socioambientais; diminua a produção de resíduos - plásticos principalmente - se permitindo o ato de recusar folhetos ou outros tipos de materiais que na prática não fazem diferença e os descarte corretamente quando produzidos. 

Para ser mais sustentável não é preciso comprar algo ou um produto que se diz ser sustentável. Ser sustentável é ser mais SIMPLES. Temos uma cartilha de Consumo Consciente que você pode baixar gratuitamente com algumas dicas de sites e aplicativos que vão te informar e instruir a colocar em prática essas dicas. Só clicar aqui: https://bit.ly/2P8WWnZ.

5) Repense sua alimentação

Nossa alimentação também está dentro de uma cadeia de impactos e consequências. Temos um modelo de produção de alimentos - principalmente os que exportamos como mercadoria - e de carne que é totalmente insustentável e que impacta negativamente o meio ambiente e está contribuindo para o avanço da fronteira agrícola para a Amazônia. 

Uma forma de diminuir nosso impacto indireto nessa cadeia é diminuir o consumo de carne e derivados animais, tentar comprar sempre que possível vegetais orgânicos ou de produtores locais. Além disso, uma solução interessante é diminuir o consumo de industrializados que para serem manipulados e produzidos tem uma cadeia de impactos longa (e não são nada saudáveis). 

Essa talvez seja a dica mais difícil se colocarmos na balança o custo desses alimentos mais naturais que muitas vezes acabam sendo mais caros, infelizmente. Mas se formos comparar em relação aos alimentos produzidos em cadeias totalmente insustentáveis, esses impactos deixam a conta mais cara para gente, devido a todos os problemas causados. Então a ideia é você procurar próximo a você todas as possibilidades possíveis para tentar economizar e se planejar para consumir esses alimentos. 

Temos duas indicações para vocês. A primeira é a nutricionista Natália Utikava, especializada em alimentação totalmente vegetal e que compartilha muito conteúdo gratuito e informativo com dicas e receitas super deliciosas e práticas de serem realizadas. No site dela tem os links para as redes sociais: https://bit.ly/30qGgK1. Outra nutricionista que indicamos é a Natalia Rodrigues, especializada em aproveitamento integral dos alimentos, que nos ensina em suas redes sociais dicas de receitas que diminuem o desperdício de alimentos, outro problema sério que temos. Dá uma olhada e a acompanhe no Instagram: https://bit.ly/30rrt1B.  

Além disso, essas dicas ajudam também na sua saúde física e mental! 

6) Faça sua parte para uma mobilidade mais sustentável 

A locomoção nas cidades produz muitos gases e poluição. Algumas ações podem ajudar nesse tema, além de cobrar por melhorias e cidades mais sustentáveis.

Ande mais a pé para ir em locais próximos à você e quando for mais distante, sempre que tiver uma ciclofaixa no caminho, faça esse trajeto de bicicleta. Caso você não tenha uma, diversos aplicativos disponibilizam o aluguel de uma bicicleta por um tempo. Prefira o transporte público ao carro para ir aos lugares. Caso não consiga, busque ir de carona com alguém ou ofereça carona no seu carro. 

Alguns aplicativos ajudam bastante para esse tema, o que mais recomendamos é o Google Maps onde você vê o trajeto, o tempo de deslocamento e as melhores opções de transporte público e a pé.  

7) Seja ativo politicamente

Temas importantes como mudanças climáticas, proteção da Amazônia e outras florestas, poluição plástica, diversidade social, sustentabilidade estão sendo ignoradas por parte de nossos governantes e já está causando consequências para nós. Temos que ter atitudes políticas no nosso dia-a-dia, mostrando nossa visão com empatia e firmeza e nos tornando exemplos de mudança. E também temos que cobrar mais os nossos governantes para tomarem ações que priorizem esses temas socioambientais. Sem natureza não existe economia nem sociedade, não há qualquer argumento que refute isso. 

Temos que enviar e-mail, fazer barulho pelas redes sociais e principalmente participar de manifestações, ir em encontros, conferências e em audiências públicas. Toda ação e cobrança é válida. Se manifestem e peçam por mudanças reais! Uma dica que temos é o movimento Fridays for Future Brasil, um movimento global em defesa do clima. A próxima greve geral e manifestações será dia 20 de setembro em várias cidades do país. Além disso, outras manifestações a favor da Amazônia já estão marcadas para agosto. 

8) Pense global mas faça localmente 

Apesar disso, não podemos mais depender somente do governo e da ação pública para as coisas acontecerem. Temos que agir e fazer por conta própria. Pensando que nossas ações têm impactos positivos pelo mundo mas que devemos AGIR LOCALMENTE. Não existe ninguém melhor do que você para saber os problemas do seu bairro, de uma praça ou parque perto, de alguma pessoa em situação de vulnerabilidade, etc. Se pelo menos metade dos brasileiros fizerem algo de diferente, são mais de 100 milhões de pessoas agindo em uma cadeia positiva. 

Como falamos antes, mudem seus hábitos e comportamentos e incentivem ações e empresas na área ambiental na sua cidade, plantem mais árvores ou plantas na sua rua, bairro ou cidade (cada vez mais pesquisas mostram que a melhor solução para as mudanças climáticas é restaurar nossas florestas), frequentem e cuidem dos parques e praças próximos a você, apoiem ações socioambientais na sua comunidade, busque liderar uma ação coletiva com seus vizinhos (pode ser uma horta comunitária, a limpeza da rua ou de outra área ou simplesmente rodas de conversas sobre os temas importantes) e busquem ser profissionais mais sustentáveis e sociais dentro das áreas de atuações de vocês. 

Com a ajuda da internet também é fácil apoiar causas mais afastadas que talvez você não tenha tanta proximidade (e sim, a internet é capaz de transformações grandes, com vimos na Primavera Árabe), como a causa indígena, a proteção direta da Amazônia a defesa de povos em situação vulnerável etc. 

9) Seja um profissional e consumidor engajado 

Mesmo não tendo uma profissão voltada para a área ambiental isso não te impede de ser um profissional mais sustentável. Busque ter um mindset mais sustentável, comportamentos e ações mais a favor dos temas socioambientais, exponha suas ideias para outros colegas e esteja engajado dentro da sua empresa, cobrando e pedindo por uma melhor conscientização, para a empresa apoiar e patrocinar ações na área ambiental (como plantios urbanos por exemplo).

Se você tem uma empresa, faça diferente com ela. Busque ser o mais socioambiental possível e entregue produtos que impactem positivamente a vida de pessoas sem ter uma conta cara para o meio ambiente. 

Como consumidor, cobre as empresas que você consome para que elas tomem alguma atitude. Elas vendem para nós, se nós pressionarmos por mudanças ou pararmos de comprar de certa empresa para escolher outras que sejam mais coerentes nos temas sociais e ambientais elas irão mudar. Algumas ações que as empresas podem realizar são patrocinando plantios urbanos, patrocinando uma causa social, investir em educação ambiental, ter processos mais sustentáveis, entregar produtos menos impactantes e realizar a logística reversa. Enviem mensagem nas redes sociais delas, marquem em posts de cobrança, mandem e-mail, falem com conhecidos dentro das empresas, se estiver em um estabelecimento exponha sua visão para os funcionário, enfim, tentem! A ação de fazer é melhor do que ficar parado. 

10) Desconecte-se para se conectar

A tecnologia e as redes sociais são ferramentas extremamente importantes que nos fornecem muita informação e meios de mobilização. Mas elas não podem ser vistas como a solução para tudo. Tudo tem um impacto nessa vida e a tecnologia não foge disso: precisa de matéria prima para confecção dos eletrônicos e de de energia elétrica para seu funcionamento e transmissão de dados. 

Mas o ponto que queremos chegar não é só esse. Estamos transformando a forma como nos relacionamos com nós mesmos, com outros e com o meio ambiente. Não priorizamos mais as conversas pessoais, o contato humano, a colaboração e temos dificuldade de estar em um ambiente sem nenhum tipo de estímulo digital. Nos perdemos dentro desse mundo digital e temos cada vez mais consequências nisso: mais ansiedade, menos conversas, menos contato com a natureza, menos saúde e menos movimento! Se observarmos a natureza a resposta está em se desligar mais para nos conectar com o mundo real. 

Portanto, use a tecnologia como uma FERRAMENTA e não com um estilo de vida. Se desligue sempre que possível (e se desafie a desligar cada vez mais). Seja uma pessoa com mais empatia no mundo real, escute e converse com sua família e amigos, seus vizinhos, desconhecidos. Marque encontros coletivos de conversas, colabore com outros e viva sua cidade! Vá a parques, museus, eventos gratuitos. Viva e esteja em movimento junto com os outros, somos uma espécie coletiva e colaborativa. 

A ideia com essas dicas é você ter um norte do que fazer e por onde começar. O conselho é você começar com aquilo que você já pode encaixar na sua rotina e com o tempo ir aumentando cada vez mais essas mudanças e atitudes positivas. Além disso, é se permitir ser livre e criativo para trilhar seus próprios caminhos na mudança, não se fechando só no que está escrito aqui mas se adaptando e criando de acordo com sua realidade! 

Cada um de nós tem um potencial muito grande de realizar a mudança só precisamos agir e fazer o que for possível sem buscar a perfeição mas buscando realizar o melhor que conseguimos. Fazer algo é melhor do que não fazer nada. E conte comigo e a Moetá para te ajudar nesse processo! 

Transforme-se pela natureza!

Por Gabriel Dayan

Gabriel DayanComentário